como aumentar os clientes

Continuando a série: Carol vendendo brigadeiros… rsss

Eu vou te contar como eu encontrei a minha primeira cliente para vender brigadeiros.

No último post eu te contei como eu fiz para delimitar os utensílios necessários para fazer brigadeiros. Dai, eu já tinha comprado tudo: a panela, a espátula, os chocolates, os leite condensados, os confeitos… E agora?

[embed_popupally_pro popup_id=”5″]

Como eu ia encontrar uma cliente? Como eu ia vender brigadeiros?

A minha primeira grande ideia foi: vou fazer panfletos!

Dai eu poderia distribuir por toda a região, poderia dar para os porteiros dos condomínios para eles ajudarem a distribuir, eu poderia pagar alguém para ficar ali no semáforo da minha casa…

E eu comecei a reparar toda a lógica de distribuição dos panfletos. Eu me lembrei que eu NUNCA leio um panfleto. Para falar a verdade, eu nem pego.

Comecei a reparar as pessoas do semáforo e elas também não pegavam ou não liam o panfleto. Era engraçado como todo mundo parece que pega o bendito panfleto de dó pela pessoa que está ali distribuindo os panfletos né? Elas mal pegam o panfleto e já colocam no banco do lado ou direto no lixo.

 

Se eu não lia, se eu não acreditava no poder dos panfletos, por que eu faria um?

Eu comecei a filosofar também sobre outro aspecto. No semáforo passam todos os tipos de pessoas, será quantas dessas pessoas que realmente teria interesse em comprar brigadeiros?

Se você ainda pensa que todo mundo pode ser o seu cliente, eu diria para você repensar nisso. Pense em uma coisa bem normal que todo mundo gosta. Por exemplo: o pão.

O pão é tão simples, tão antigo, tão querido e presente em todas as casas. Oooops… quase todas as casas. Repare na variedade de pães que existe. Então não é todo mundo que come pão francês, por exemplo. Tem gente que quer o pão integral. Tem gente que só gosta do pão de uma padaria. Tem gente que não gosta de pão.

Eu poderia dar ainda muitos exemplos de variedades de pessoas que gostam de variedade de pães, mas dai eu ia só falar de pães aqui. O ponto principal é o seguinte: não é todo mundo que gosta de pão francês. Sendo assim, não é todo mundo que vai gostar dos seus brigadeiros! Fato!

É impossível agradar todo mundo.

Sendo assim, eu pensava assim: eu não posso agradar todo mundo, mas eu posso encontrar quem eu possa agradar. E quando eu encontrar essa pessoa, eu vou entender ao máximo o que ela gosta, para que eu possa sempre entregar o melhor produto para ela.

Tá, e quem seriam essas possíveis clientes?

Eu comecei a pensar em possíveis clientes. Sem dúvidas que a chance dessa cliente ser mulher era muito grande. Onde teria uma grande concentração de mulheres?

Hmmm no salão de beleza, nas esmalterias, só vão mulheres, certo? Eu poderia começar por ai.

E na academia? Na academia, apesar de muitas mulheres, elas querem emagrecer, elas não querem comer brigadeiros.

E nas lojas de roupas femininas? Um grande potencial também.

Eu fiz alguns cartões e panfletos bem bonitos e fui nelas lojas.

Como chegar nesses lugares e oferecer seus brigadeiros?

 

Eu fiz algumas caixinhas bem pequenas com 04 brigadeiros e eu ia na cara dura nessas lojas.

Eu chegava lá, contava sobre meu trabalho, oferecia meus brigadeiros e pedia ajuda a elas.

Mas é preciso oferecer brigadeiros?

Bom, precisar não precisa não. Mas a questão é a seguinte: existe um mutualismo implícito entre as pessoas. Já reparou que quando uma pessoa te dá um presente, você se sente na obrigação de retribuir esse presente? Isso é mutualismo.

O mesmo acontece quando uma pessoa te ajuda muito, você tende a ajudá-la também.

Essa é a sacada! Ao falar dos seus brigadeiros e oferecer para elas, elas vão ter uma grande tendência em retribuir o seu ato. Elas vão querer te ajudar sim.

Sem os brigadeiros, quem me garantia que elas realmente iriam falar dos meus brigadeiros.

E assim apareceram as minhas primeiras clientes!

Sempre que elas apareciam, eu sempre perguntava onde que ela tinha ouvido falar de mim. E eu sempre anotava onde era.

Pois os lugares que tinha mais clientes vindos, eram os lugares potenciais das minhas clientes. A ideia era saber de onde vem mais, para encontrar mais lugares como aqueles, para encontrar mais clientes ainda.

Os lugares que mais vieram clientes foram justamente as esmalterias e as lojas de roupas femininas.

Até que eu tive a ideia de querer vender para estabelecimentos… Mas essa história vai ficar para a semana que vem! =)

[embed_popupally_pro popup_id=”5″]

 

E você? Como você encontrou as suas primeiras clientes?

Written by Carolina Tomazetti

Meu nome é Carol e eu sou empreendedora digital criativa e engenheira de brigadeiros. Eu tenho mais de 2.500 alunas inscritas no meu curso online de brigadeiros que aliás, vai além de receitas, chegando no empreendedorismo, incluso precificação facilitada e vendas genuínas. Fui convidada para falar sobre a Brigadeirosa no Google GDG Sorocaba e no GTalks da UFSCAR. Além de brigadeiros, eu vou te mostrar que seu negócio é muito mais do que ganhar dinheiro. Eu faço o Movimento Empreendedorismo com Alma ::: união das suas habilidades, seus desejos com a lucratividade. Viver com significado liberdade e abundância.

7 thoughts on “Como eu encontrei minha primeira cliente para vender brigadeiro?

  1. Muito interessante o pensamento de que nem todo mundo é seu cliente.
    Normalmente as pessoas quando começam a vender algo pensam que qualquer um poderia comprar, mas não é bem assim.
    Legal ver que vc utilizou essa lógica para brigadeiros, que é algo que quase todo mundo compra, e é nesse quase que devemos ter atenção e cuidado 😉

    Beijos e sucesso!

    1. Sim!
      Dai quando você começa a pensar sobre todos os produtos, sobre as marcas, sobre preferências… É bem mais fácil de ver que nem tudo agrada todo mundo.
      Coisas simples, como o pão, cada um gosta de um jeito.
      Isso! Concordo plenamente!
      Quando encontramos nossos clientes, devemos dar toda a atenção e sempre fazer o melhor produto pensando neles.

      Obrigada e para vc tb. 😉

  2. Oi, Carol!

    Muito legal essa dica de passar suas experiências pra gente! Eu estou justamente nessa fase, ou seja, estou procurando formas de enconctrar clientes. Não cheguei ainda a nehum lugar efetivo porque meu tempo é muito curto. Mas é legal perceber que quanto mais eu penso mais idéias vão aflorando. Super obrigada por voce existir, minha Linda! Seu entusiasmo é muito contagiante! Bjs. Ávila

    1. Olá Ávila! =)

      É engraçado né?
      A gente acha que é difícil, dai quando a gente pára para pensar mesmo, de verdade, surgem um milhão de ideias.
      Sempre me surpreendo com isso também. =)

      Obrigada pelo carinho.
      Bjos 🙂

  3. Oi Carol!
    Estou há 6 meses com a Bliss e cada dia tem sido um desafio constante! As minhas primeiras clientes foram as vizinhas. Eu fiz 4 sabores de brigadeiros, coloquei em embalagens e dei uma amostra para cada vizinha. Elas começaram a me perguntar se eu tinha brigadeiros para consumo próprio e comecei a deixar alguns prontos já, e até encomendaram para presentear! Familiares começaram a comprar d divulgar boca a boca. Mas ainda estou na fase de angariar mais clientes. A idéia agora é ir nas lojas femininas e cabeleireiros e essa idéia das caixinhas foi demais! Pretendo também em deixar em consignação em restaurantes… Alguma sugestão de aproach?

    Obrigada mais uma vez, Carol!
    Beijão!

    1. Ahh eu tenho um discurso sobre isso…

      Tipo a minha fala que eu escrevi para essas ocasiões.

      Vou fazer um post sobre ela. Dai eu te explico como eu faço a minha fala e como eu abordava as clientes.

      Pode ser?

      Eu que agradeço vc por compartilhar a sua história. Adorei! =)

  4. Ola gostei muito do seu post!! moro em uma cidade quem tem um centro de comercio muito grande, e eu gostaria de fazer brigadeiros grandes e vende-los por 1,50 individual sabe, dentro de um saquinho bem bonitinhu e com fita, então eu gostaria de sair de casa pela manha ir até esse centro e oferecer, e vender a pronta entrega, vou levar cocada também e beijão, vc poderia me dar sua opinião sobre a minha ideia!! desde já obg.

Comments are closed.